EMPRESA
HOME
SERVIÇOS
HORÁRIOS
GALERIA
CONTACTOS
TEMPO DE REAÇÃO
Tempo de Reacção do Condutor

Perante um obstáculo que surja inesperadamente na frente do veículo, nenhum condutor, por mais rápidos que sejam os seus reflexos, consegue reagir instantaneamente para evitar o acidente.

Ver, compreender e actuar, embora sejam operações muito rápidas, demoram aproximadamente 1 segundo a realizar-se (TEMPO DE REACÇÃO) e durante esse tempo o veículo continua a avançar.

tempo de reacção é portanto a quantidade de tempo que decorre entre a percepção de uma nova acção e o exacto momento e que se actua.

A maioria dos condutores demora aproximadamente um segundo a reagir às situações de perigo, embora existam alguns factores que podem aumentar bastante esse tempo de reacção como, por exemplo:
  • Ter pouca experiência de condução.
  • Ter idade mais avançada.
  • Estar sonolento ou fatigado.
  • Encontrar-se doente física ou mentalmente.
  • Estar sob o efeito de determinados medicamentos.
  • Estar sob a influência de álcool ou de estupefacientes.

Distância de Reacção, de Travagem e de Paragem
  • Distância de Reacção: Durante o tempo de reacção, o veículo continua a movimentar-se (à mesma velocidade), percorrendo uma determinada distância, avaliada em metros. Esta é tanto maior quanto mais elevada for a velocidade a que se circula.
    A distância percorrida durante o tempo de reacção chama-se Distância de Reacção.
  • Distância de Travagem: Distância percorrida entre o momento em que o condutor começa a travar e aquele em que o veículo pára.
    Esta distância varia não só com a velocidade do veículo como também com o estado dos pneus, a eficácia dos travões e o estado do pavimento (piso molhado, escorregadio ou arenoso).
  • Distância de Paragem: Distância total percorrida entre o momento em que o condutor vê o obstáculo e aquele em que o veículo pára.
    A distância de Paragem obtém-se somando a distância de reacção com a distância de travagem.

Cálculo das distâncias de imobilização de um veículo às várias velocidades
Velocidade instantânea
(km/h)
Distância de reacção
(m)
Distância de travagem
(v2/100m)
Distância de paragem
(m)
40 11 16 27
50 13,88 25 38,88
60 16,66 36 52,66
70 19,44 49 68,44
80 22,22 64 86,22
90 25 81 106
100 27,77 100 127,77
110 30,55 121 151,55
120 33,55 144 177,33
* Tempo de reacção = 1 segundo.

A Energia Cinética e a Aderência dos Pneus

Qualquer veículo posto em movimento, acumula em si determinada energia cinética que se manifesta pela resistência oferecida ao efeito de travagem.

Esta energia cinética acumulada (inércia) será tanto mais elevada quanto maior for a velocidade a que o veículo circula e o seu peso total (massa).

Quando o veículo se desloca numa descida, a dificuldade de travar agrava-se ainda mais devido à força da gravidade, cujo efeito aumenta de acordo com a inclinação da via.

A eficácia da travagem depende fundamentalmente:
  • Da velocidade do veículo.
  • Do seu peso total (massa).
  • Da inclinação da via.
  • Das características dos travões.
  • Do tipo e estado de conservação dos pneus.
  • Da qualidade e condições do pavimento.
Nos períodos de chuva, o número de acidentes rodoviários aumenta consideravelmente porque a água acumulada no pavimento reduz a aderência dos pneus, fazendo aumentar o espaço de travagem em cerca de 40%.

Quando começa a chover, depois de um longo período de seca, o pavimento fica coberto de uma fina e perigosa camada de lama que reduz perigosamente a aderência dos pneus, tornando a travagem muito difícil.

Nestes casos, quando se perde a aderência dos pneus ao pavimento, inicia-se um efeito de escorregamento (derrapagem) que, apesar das rodas travadas deixarem de girar, mantém o veículo em andamento de modo descontrolado.

Os condutores mais distraídos ou menos avisados, quando se dão conta da falta de aderência dos pneus, podem já estar envolvidos em acidentes de bastante gravidade.

Para evitar uma derrapagem, em vez de efectuar uma travagem intensa e contínua, é preferível que o condutor faça uma série de pequenas e repetidas travagens.


Distância de Segurança Entre Veículos


O condutor de um veículo em marcha deve guardar, entre o seu veículo e o que o precede, a distância suficiente para evitar qualquer acidente em caso de paragem súbita ou diminuição brusca de velocidade.

Parte-se do princípio que esta distância de segurança deve ser igual ao espaço percorrido pelo veículo durante um segundo (tempo de reacção do condutor).

No entanto, para poder dispor de um razoável margem de segurança, é conveniente guardar sensivelmente o dobro daquela distância, especialmente quando a velocidade é mais elevada.

Exemplo da aplicação da norma da distância de segurança
Velocidade Espaço de Reacção
(1 segundo)
Distância de Segurança
(2 segundos)
90 km/h Aprox. 25 metros Aprox. 50 metros
100 km/h Aprox. 28 metros Aprox. 56 metros
120 km/h Aprox. 33 metros Aprox. 65 metros


Distância Lateral de Segurança


Quando dois veículos circularem na mesma faixa de rodagem, no mesmo sentido ou em sentidos opostos, cada um dos condutores deve guardar uma distância lateral suficiente para evitar qualquer acidente.

Para avaliar correctamente esta distância de segurança, cada um dos condutores deve ter em conta a largura da faixa de rodagem, a velocidade a que circula, as características dos veículos, o tipo de carga que eventualmente transporte e o eventual efeito dos ventos laterais.